Pular para o conteúdo

Aneurisma cerebral – entendendo o problema

POR RODOLFO CASIMIRO, NEUROCIRURGIÃO DA EQUIPE DR FERNANDO GOMES

Recentemente o Brasil se emocionou com a morte precoce de Tom Veiga, intérprete do personagem Louro José e companheiro de cena de Ana Maria Braga na televisão. Vítima de um aneurisma cerebral, a morte do ator aos 47 anos jogou luz sobre a enfermidade, fazendo com que fosse mais falada e conhecida.

Mas, você sabe o que é o aneurisma cerebral?

O aneurisma ocorre quando há uma dilatação anormal e localizada em alguma das artérias do cérebro¹. Isso pode acontecer por diversos fatores tais como hipertensão arterial, tabagismo, traumas, uso de drogas e defeitos congênitos¹.

O grande perigo é que essa dilatação pode romper e causar uma hemorragia cerebral grave, com potencial de matar ou sequelar dois terços de suas vítimas.

E um dos grandes perigos do aneurisma é que ele é geralmente assintomático até romper. A pessoa pode passar a vida toda com a dilatação na artéria sem sentir nada até ocorrer sua ruptura. E apesar de estarmos abordando o aneurisma cerebral, o problema pode ocorrer em outras partes do corpo, como coração, rim, abdômen.

Na maioria das pessoas, o sinal de ruptura é uma dor de cabeça muito intensa e abrupta, podendo haver a perda da consciência e morte, caso o socorro demore a acontecer. Muitos pacientes apresentam esses sintomas após esforço físico, como prática esportiva e até orgasmo!

O aneurisma é mais comum em mulheres e o risco de ruptura aumenta com a idade. O histórico familiar também conta. Pessoas com essas características e hipertensas devem fazer acompanhamento médico para prevenir ou detectar precocemente o problema.

O médico pode solicitar exames como tomografia e ressonância com estudo das artérias cerebrais, que são exames simples, indolores e nada invasivos. Se o diagnóstico se confirmar, o neurocirurgião vai avaliar qual deve ser a conduta a ser seguida: acompanhamento, cirurgia ou embolização via cateter.

 

1 Pinto, Maria Helena, & Zago, Márcia Maria Fontão. (2000). A compreensão do significado cultural do aneurisma cerebral e do tratamento atribuídos pelo paciente e familiares: um estudo etnográfico. Revista Latino-Americana de Enfermagem8(1), 51-56. https://doi.org/10.1590/S0104-11692000000100008

Convênios atendidos

omint
one-health
care-plus

Siga o nosso
Instagram

Ouça Dr. Fernando Gomes no Spotify

    Newsletter

    Cadastre-se em nossa newsletter e receba todas as novidades da Clínica Dr. Fernando Gomes