Entre em contato: São Paulo 11 3825 2444 . Outras localidades: 0800 580 0830

Tô querendo saber – Doença Alzheimer

Tô querendo saber – Doença Alzheimer

Postado em 9 de Maio de 2018

Hoje iniciamos um quadro no programa Encontro com Fátima Bernardes chamado Quero Saber.

O tema de hoje foi Doença Alzheimer. Somente no Brasil existem 1,5 MILHÕES de pessoas com Alzheimer (doença que não tem cura, atrapalha a memória e compromete a qualidade de vida do paciente e da família/cuidadores).

Assista este trecho do Programa neste link e veja abaixo o complemento da minha explicação:

Uma pesquisa realizada na Universidade de Kansas (EUA) foi publicada em 2018 na revista Alzheimer & Dementia: Translational Research & Clinical Intervention.
Trata-se de um estudo piloto com 10 indivíduos portadores de Alzheimer que foram submetidos a uma mudança na alimentação por 3 meses. As funções cognitivas, incluindo a memória, foram avaliadas clinicamente antes, após os 3 meses e também após 1 mês da interrupção da dieta.
Observou-se melhora da função mental após os 3 meses de dieta. Quando foi interrompida a dieta, 1 mês depois, os pacientes voltaram ao estado mental inferior, semelhante como estavam antes da pesquisa.

NOVIDADE: este é um estudo piloto e portanto, ele mostra uma possibilidade futura para tratar pessoas com doença de Alzheimer. Nesta doença existe dificuldade dos neurônios utilizarem a GLICOSE como fonte de energia para célula. A dieta implementada foi a dieta cetogênica, que aumenta o consumo da gordura pelo corpo como forma de obtenção de energia para a célula, e reduz o consumo de carboidrato para esta função. Como nesta dieta há menos carboidrato, a produção de insulina diminui, o que faz o fígado oxidar a gordura da alimentação e do corpo em corpos cetônicos (CC). Os neurônios doentes que não conseguiam usar a glicose como forma de energia, passaram a utilizar os CC como forma de energia.

Dr. Fernando no Instagram

    © - Dr. Fernando Gomes Pinto - Clínica de Neurocirurgia